betano

SEÇÕES

Nome do advogado de Bolsonaro está no recibo de recompra do Rolex

O relógio dado de presente ao ex-presidente supostamente foi vendido, de forma ilegal, no exterior

Advogado Frederick Wassef e ex-presidente Jair Bolsonaro | Evaristo Sa/AFP
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O nome do advogado de defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), Frederick Wassef, emerge em meio a uma controvérsia relacionada à recompra de um relógio Rolex nos Estados Unidos (EUA). O relógio teria sido originalmente presenteado a Bolsonaro durante uma viagem oficial durante seu mandato e supostamente vendido ilegalmente no exterior. As autoridades da Polícia Federal (PF) alegam que o recibo da recompra se configura como "evidência substancial" contra o advogado do ex-presidente.

Após a divulgação de novos detalhes sobre a investigação em torno da venda de joias adquiridas em viagens oficiais, Wassef emitiu um comunicado rejeitando as acusações e assegurando que não esteve envolvido em qualquer operação desse tipo. Neste caso, porém, a investigação se concentra na recompra do Rolex, não em sua venda.

Leia Mais

A PF planeja convocar Wassef para prestar depoimento e também buscará esclarecer a origem dos recursos utilizados na recompra do presente destinado ao ex-mandatário. Além disso, a investigação visa elucidar se os pagamentos foram realizados em espécie ou através de transferências bancárias.

A colaboração com autoridades dos EUA auxiliará a PF na determinação do valor da compra original e da recompra do relógio, assim como o método de pagamento empregado.

O advogado da família Bolsonaro foi incumbido de viajar para o território norte-americano para realizar a recompra do Rolex, após o Tribunal de Contas da União (TCU) determinar que o presente fosse devolvido ao governo, uma vez que o relógio não era considerado um bem de natureza estritamente pessoal.

Oficialmente, a equipe de Bolsonaro afirmava que o relógio se encontrava no Brasil e que seria devolvido ao governo.

Entretanto, a equipe de assessores do ex-presidente pareceu procrastinar a devolução e a recompra do relógio. No dia em que a operação foi efetuada, a equipe do ex-presidente celebrou o sucesso da missão.

Confira as declarações de Wassef e Bolsonaro

A defesa de Bolsonaro emitiu um comunicado após a ação da PF na sexta-feira (11), onde afirmava: "Em relação aos eventos reportados hoje pela imprensa nacional, a defesa do Presidente Jair Bolsonaro voluntariamente, e sem solicitação prévia, fez petição junto ao TCU - ainda em março deste ano - solicitando o depósito desses itens naquela corte, aguardando decisão final sobre seu tratamento, o que de fato foi feito."

Frederick Wassef também se pronunciou sobre o caso no domingo (13), declarando: "Como advogado de Jair Messias Bolsonaro, gostaria de informar que estou novamente enfrentando uma campanha de fake news e difamação de todas as formas, incluindo informações contraditórias e fora de contexto. Fui falsamente acusado de ter um papel central em um suposto esquema de venda de joias. Isso é uma calúnia que estou sofrendo e é pura mentira. Totalmente fabricado."

Ele prosseguiu, detalhando que só teve conhecimento da existência das joias no início deste ano, através da mídia, e que agiu sob orientação do próprio Bolsonaro. Wassef afirmou que nunca esteve envolvido em qualquer venda, oferta ou posse das joias e que jamais facilitou ou auxiliou qualquer transação ou venda, direta ou indiretamente. Ele também ressaltou que durante a busca da PF em sua residência, nada de irregular foi encontrado, incluindo objetos, joias ou dinheiro.

Saiba mais em: realidadgeselina.com



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
betano Mapa do site