betano

SEÇÕES

Você sabe qual a diferença entre HIV e Aids? Especialista explica

Especialista desmistifica o tema, além de falar sobre formas de prevenção e tratamentos

O uso de camisinha durante o sexo é uma das formas de evitar a contaminação por HIV | Reprodução/Internet
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Falar sobre doenças sexualmente transmissíveis ainda é um desafio em muitas sociedades, e, no contexto brasileiro, especificamente, o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) carrega consigo um estigma adicional e ainda gera bastante confusão entre as pessoas. A infectologista do CEJAM - Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim, Ana Carina Serfat, esclarece alguns fatos sobre o assunto.

“Ao contrário do imaginário de muitos, o HIV não é uma doença, mas sim um vírus que penetra nos linfócitos CD4, células de defesa do organismo. Ele causa alterações no corpo e contribui para a diminuição da imunidade a longo prazo. Já a Aids é o estágio mais avançado da presença do vírus HIV, quando não cuidado. Por isso, é tão importante buscar orientações médicas”, explica.

Segundo relatórios do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), há, atualmente, 39 milhões de pessoas vivendo com o diagnóstico de HIV no mundo e, desse total, 1,3 milhão foram infectadas apenas em 2022. No Brasil, a estimativa para o último ano ultrapassa 1 milhão de pessoas.

Transmissão

Quanto à Aids, doença resultante do desenvolvimento do vírus, ela ainda é classificada como uma epidemia e pandemia global. Apesar dessa realidade, a organização prevê que até 2030 a patologia deixe de integrar essas listas. “Normalmente, a transmissão do HIV ocorre através do contato com fluidos corporais de quem já tem o vírus. Esses fluidos incluem sêmen, leite materno, secreção vaginal e sangue”, destaca a infectologista.

A médica reforça que a transmissão pode ocorrer, em grande parte, através do sexo desprotegido com uma pessoa soropositiva, seja ele anal, vaginal ou oral, do compartilhamento de seringas contaminadas e também por transmissão vertical, quando a mãe passa o vírus para o filho durante a gestação, no momento do parto ou durante a amamentação, pela falta da realização de tratamento ou profilaxia.

É preciso prevenir

Entretanto, com o avanço da ciência, é possível tanto controlar como prevenir a transmissão do HIV de diversas maneiras, muitas delas disponíveis gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Com isso, a população brasileira tem acesso a testes,  preservativos femininos e masculinos, lubrificantes, além de profilaxias de pré e pós-exposição ao vírus, conhecidas como PrEP e PEP.

“A PEP consiste na administração urgente de medicamentos antirretrovirais contra o HIV após uma situação de risco, sendo um tratamento de curta duração, limitado a 28 dias. Por outro lado, a PrEP é indicada para pessoas que tenham uma maior exposição e, com isso, uma maior chance de entrar em contato com o vírus HIV. Aqui, existe um uso programado de medicamentos, ou seja, a pessoa inicia a ingestão bem antes de possíveis exposições ao vírus. Elas são medicações diferentes”, afirma a médica.

Para potencializar os métodos, Dra. Ana Carina enfatiza a importância de a população também ter acesso à imunização contra Hepatite B e HPV. “É possível mudar esse cenário. E é por meio de várias medidas que podemos quebrar o ciclo de transmissão do vírus”, finaliza.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
betano Mapa do site